SEPARAÇÃO DE PSICOPATA NÃO É SEPARAÇÃO 61


separação-3

As vítimas de um relacionamento amoroso com psicopata SEMPRE ouvem: “Esquece, vire a página, perdoe, não vale a pena guardar mágoas, vai viver sua vida” porque as pessoas não têm a mínima ideia do que seja relação amorosa com um psicopata, muito menos o que seja o seu término.

O fato é que esse término jamais ocorre. O que ocorre é uma drástica, incompreensível, absurda e horrenda virada nos acontecimentos.

Num relacionamento amoroso normal, as pessoas podem brigar, e descontar um no outro sua raiva e suas frustrações. Ou então, chegando à conclusão de que não há mais condição de conviver, se separam, cada um partindo pelo seu caminho. Podem encarar os fatos e resolver pendências, para que a separação seja concluída, resolvida, selada. Ou podem não ter maturidade suficiente para tanto, e continuar com pendências que com o tempo terão que ser resolvidas. Podem carregar para a separação a dor de uma traição que, mais cedo ou mais tarde, cobrará seu preço em forma de vingança ou perdão. Mas sempre há a possibilidade de um término, pacífico ou não, doloroso ou não. Há consciência, que pesa quando se consegue enxergar seus próprios atos.

Com um psicopata não existe término. Existe pesadelo. Um pesadelo que lentamente vai substituindo a empolgação inicial, o perfeito caso de amor, o casal perfeito, a história de amor dos contos de fadas tornada realidade, a paixão que elevou você ao sétimo céu, jamais vivida antes (e jamais vivida de novo). E esse pesadelo se instala na vida do parceiro amoroso vitimizado, cobrindo tudo com um manto cinzento, tapando o sol, murchando as flores e espalhando o fétido odor de um conto de terror.

Esse pesadelo é inconcebível para a grande maioria das pessoas. Quando a vítima tenta contar, explicar, nem há palavras para tanto. E as pessoas olham para a vítima, comiseradas, coitada, está magoada, desequilibrada, não é à toa que foi abandonada por aquela pessoa maravilhosa.

Esse pesadelo se compõe de incongruências, tortura psicológica, mentiras, falsidades, síndrome de Estocolmo, roubo de dinheiro, de posição social, de profissão, de autoconfiança e de autoestima, e principalmente de um pedaço da alma da vítima. Esse pesadelo se compõe da síndrome pós-traumática semelhante a estupro e a sequestro combinados. E acrescente-se vampirismo energético, psicológico e emocional. E acrescente-se ainda a campanha de difamação da vítima perpetrada pelo agressor. Isso se não houver enredamento judicial para piorar a situação.

O término não ocorre porque o psicopata não sente a menor responsabilidade em resolver pendências. Se ele ficou com o dinheiro da vítima, ainda arruma um motivo para não devolvê-lo culpando a vítima de alguma coisa. Qualquer coisa. Contanto que ele é que se apresente como vítima, virando a história do avesso. Se ele deixou a vítima sem condições de se aprumar, é mais uma bela razão para ele sair divulgando a torto e a direito como ele é que foi prejudicado pela vítima, embora ele já esteja imediatamente com o parceiro amoroso seguinte, pois parasita não fica sem hospedeiro para se alimentar. E o pedaço da alma que ele roubou não devolve jamais. Você terá que extirpar a necrose que se instalou e construir gota a gota aquele pedaço novamente.

A vítima fica com um cesto cheio de episódios que não fazem lógica, que desafiam o senso comum, que não combinam com a realidade, misturados com espinhos e cobras e escorpiões em meio aos bilhetes de amor, às flores, aos elogios que elevaram você ao paraíso, aos presentes, às marcas da paixão em seu corpo e em sua alma. Porque só a vítima amou. O outro fingiu o tempo todo.

O processo de cura exige um longo e penoso caminho rumo à sanidade física, psíquica, mental e financeira. E esta cura parece que sempre será relativa. Basta um pequeno cutucão no inconsciente para que a ferida sangre novamente. Anos e anos depois.

Aprende-se a conviver com esta ferida na esperança de que com o tempo ela acabe cicatrizando.

É como o boné preto que o estuprador usou quando atacou sua vítima. A qualquer lembrança, semelhança, menção de boné, de preto, o trauma se manifesta novamente. Pois o inconsciente nos protege daquilo que não temos condições de processar, mas não pode evitar um vazamento ocasional. E fará isso até que um dia, finalmente, enterremos o monstro bem morto e saiamos à nova luz.

Separação de psicopata não é separação. É pesadelo que pode voltar a assombrar seus sonhos quando menos se espera.

Júlia Bárány


Deixe um comentário

61 pensamentos em “SEPARAÇÃO DE PSICOPATA NÃO É SEPARAÇÃO

  • Tais

    E como podemos fazer pra superar, recuperar a auto estima, a confiança? Terapia? Já faço a um ano e ainda não perdi o medo de me relacionar novamente, todas oportunidades que ele teve de me diminuir, perder a confiança em mim, achar que eu não era o suficiente, de criticar minhas roupas, maquiagem, ainda estão fortes dentro de mim, já se passou quase um ano e ainda não me recuperei. Ele segue a vida dele disfarçado de leveza e tudo continua normal. Mas a minha não estou tendo que me redescobrir, reinventar.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Querida Tais, o processo de recuperação pode ser longo mesmo. Um ano após relacionamento com psicopata é ainda pouco para se recuperar totalmente. Mas com certeza você chegará lá, pois todos os sobreviventes que se mantêm firmes no caminho da cura conseguem. O importante é não desistir. Procure saber mais e mais sobre relacionamento com psicopata para você entender o que de fato aconteceu com você e todas as armadilhas e artimanhas e manipulações que um psicopata faz com sua vítima. É como uma faxina emocional, psicológica e física que precisa ser feita. Ir jogando fora tudo que não serve, que não é seu, que atrapalha sua vida e substituindo por aquilo que é bom para você. Um novo amor certamente também baterá à sua porta quando você estiver livre. Enquanto isso, não pule para um relacionamento só para preencher um vazio. Aprenda a se amar e a ficar bem em sua própria companhia. Assim num próximo relacionamento você não cairá em armadilhas de dependência, será inteira. Um relacionamento amoroso verdadeiro é feito por dois inteiros e não duas metades.

      • bibinha

        e eu que nem consigo me separar..Um massacre de alma..penso que as vezes seria melhor matar logo..corroi ..aos poucos como um rato faminto e inescrupuloso…como faco…nao tenho forcas..quando vejo que estou quase conseguindo e ai la vem alguma frase tipo” se nao fosse eu na sua vida o que seria de mim.” “vou deixar voce sozinha e dou um mes para voce ver como sua vida vai ficar””imagino se eu nao estivesse na minha vida como voce ia se virar”
        .conseguiu em pouco tempo me paralisar como uma jiboia e sua presa…São tantas coisas que nem consigo comentar …sem forcas.. exaurida
        que poderia fazer para reunir forcas??

        • Micaela Hon
          Micaela Hon Autor do post

          Bibinha, é preciso dar passos firmes para chegar na separação. Não é fácil mesmo, e eles querem nos destruir mesmo que seja com as nossas próprias mãos. Então, não caia nessa armadilha. Se precisar de ajuda, de elaborar os passos, conte conosco.

  • Luciana

    Bom dia! Adorei o texto, achei muito esclarecedor. O processo de cura é muito lento mesmo. Fazem seis meses que terminei, nunca mais tive contato! Não é fácil e temos que ter paciência. Obrigada!

      • Rosana

        Oi. Em 2009 começou meu pesadelo. Pensei que estivesse bem, já estava separada a 4 anos do pai dos meus filhos e assim conheci um rapaz, 15 anos mais jovem, ele veio de Sc e em 3 meses já estava morando na minha casa. Durante 1 ano foi tudo maravilhoso , ele tinha uns episódios estranhos, tipo me fazer dirigir 19 horas direto só pq pedi para ele diminuir a velocidade… mais não conhecia u perfil de um psicopata. Foram longos 5 anos, realmente uma loucura, eu sofria de agressóes verbais e fisicas… Ele batia e fazia carinho… Estou separada desse louco tem 1 ano e 7 meses, ele é tão sordido que sempre me procura em datas especiais, como aniversario dos meus filhos, meu aniversario e veio aqui em casa , sorte que não estava, depois me mandou mensagem chorando e logo depois outra me agredindo… Depois que tive certeza que ele é um psicopata, reli todas as cartas que me mandava, tudo que vivemos e tracei o perfil. Consigo ve lo como realmente é, repetitivo nas palavras , nas atitudes.. Infelizmente, ele está infiltrado no meio meio , mais pelo menos não está mais entre nós.
        Estou fazendo terapia, lendo tudo sobre o perfil de um psicopata e já consegui sair da ilusão daquele homem que me fez acreditar que me amou muito. Não me culpo por isso e acho que esse relacionamento veio me fortalecer e me colocar em primeiro lugar sempre. `Eu me amo“
        Queria participar de um grupo de vitimas desses monstros. Juntas podemos nos ajudar.

  • Telma

    Após ler esse artigo, estou ciente que morei com um psicopata, ele sempre me humilhava é depois vinha todo carinhoso, sempre jogando meu passado na minha cara, nunca tinha dinheiro é queria cuidar do meu, sempre me traiu, vinha com mentiras que depois eu descobria, mas sempre se safava, em resumo ele me desequilibrou, não tenho palavras para expressar, o quanto é doloroso, lidar com esse tipo de pessoa.Pois ele sempre virava o jogo, quando coloquei o ponto final, que fui identificar o mesmo como psicópata, na verdade esse ponto final, é quase impossível, pois ele torna a sua vida um inferno!

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Telma, não desista. O ponto final deve vir com uma total separação do dito cujo. Você deve evitar contato com ele totalmente. só assim você terá suas forças de volta para reconstruir sua vida. Enquanto tiver contato, ele vai continuar sugando você. Essas criaturas são vampiros.

  • lihp

    Fazem exatamente 5 dias que percebi que tinha me envolvido com uma psicopata e que cortei contato com ela. Logo que nos conhecemos, ela fez um questionário bem estranho sobre tudo da minha vida e eu caí igual uma boba achando que era só interesse da parte dela, foi tudo de caso pensado para saber da minha vida e principalmente das minhas vulnerabilidades, que depois ela usou direitinho pra me atormentar. Analisando bem, eu fui a vítima perfeita pra ela porque tenho todos os elementos que ela deixava subentendido que odiava, quando se fazia de apaixonada, mas que depois passou a jogar na minha cara mesmo o quanto eu era odiosa por ser quem eu sou. Bom, costumo dizer que nossa história teve duas fases, a primeira na qual ela se fazia como a melhor pessoa do mundo, tudo o que eu queria num relacionamento (claro, ela havia sondado BEM o que eu esperava de um relacionamento), fez inúmeras promessas, foi bastante rápida até e o depois, quando reagi a uma desconfiança que tinha dela, que pensando bem também acho que foi armada, e ela passou a me humilhar e a fazer de tudo pra deixar minha auto estima mais na lama do que já era. Me acusou de abusiva, se fez de vítima, inventou uma doença (de novo) pra eu me sentir mal e culpada por não fazer alguma coisa e projetou todas os defeitos dela em mim. Estou esgotada depois de tudo, sem ânimo pra nada, só querendo dormir pra fugir das minhas lembranças, fiquei em estado de choque depois de juntar todas as peças, ler textos sobre psicopatas e ver que a pessoa que eu amava na verdade jogou comigo o tempo todo. Espero um dia me recuperar desse relacionamento tão destrutivo.

  • E5

    Olá a todos. Me relacionei por anos e consegui me desvencilhar, por duas vezes, de uma pessoa com essas características. Foi muito doído e ainda é, pois ficaram muitos traumas. Para mim, a descoberta de que ela era assim foi um alívio: eu simplesmente não entendia como uma pessoa poderia fazer tudo o que fez, sem nenhum escrúpulo. Me levava a ótimos limites que nunca havia experimentado e, depois, humilhava como se eu fosse o pior cara do mundo. Tenho sim meus defeitos, estou longe de ser perfeito, mas não merecia, por exemplo, ser chamado de “ridículo”, do nada, sem motivo algum. Fui perseguido, por um período, difamado, em outro, e, agora, tento me recuperar. Tenho um pouco de sorte, porque, agora, pessoas muito próximas a mim, após eu mostrar artigos sobre o tema, a identificaram como sendo assim também. Pesadelos me atormentam, e, de repente, quando estou muito bem, aparecem pensamentos terríveis, que acabam com meu dia. Percebi que minha memória recente também está indo pro espaço. Tento muito me ajudar, mas é difícil.

  • Andressa

    Fico me culpando por não ter encontrado esse site antes… Foram quase 3 anos de muito amor e sofrimento. Consegui terminar a menos de 1 mês e ainda não acredito o quanto fui inocente em não seguir minha intuição que sempre me falava pra sair fora, mas aí ele vinha com rosas vermelhas, bilhetes falando que eu era a mulher da vida dele. Terminei e voltei algumas X porque ele sempre me fazia acreditar que ele era a vítima da história. Eu sentia uma raiva dele e ao mesmo tempo me sentia presa, parecia que ele era o ar que eu respirava. No último ano juntos ele me fez acreditar que estava louca, minha depressão voltou e desenvolvi TAG. Me chamava de louca, desequilibrada, que mirabolava coisas, mas a gota d’água foi um dedo na minha cara… Está sendo difícil pra mim porque achei que nunca passaria por tal situação. Amar sei que não amo e nem amei mas ele fez com que eu me sentisse “amada”.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Andressa, os portadores de transtorno de personalidade usam essas mesmas tática para enredar a vítima, e são muito eficientes nisso, pois eles sequestram o processo natural de ligação dos seres humanos. Eles usam até a nossa química para isso. Quando temos contato íntimo com alguém, desenvolve-se uma ligação química por meio da ocitocina, chamada hormônio do amor. A mãe produz ocitocina no parto, ligando-se imediatamente ao filho.
      Essas criaturas usam essa ligação química, usam manipulação sutil, usam bombardeio amoroso, gaslighting que é uma tática de desdizer o que disse e convencer o outro que ele não viu o que viu, fazendo com que a pessoa se sinta enlouquecer. A isso tudo é muito difícil um ser humano normal, amoroso, generoso, carinhoso resistir. Portanto, não se culpe. Todos que caíram vítimas de psicopatas são pessoas amorosas, generosas, bondosas, dão de si para os outros. O errado é aquele que usa isso contra a própria pessoa, entende?
      Mas como eles não têm cérebro para sentir remorso, compaixão, empatia nem amor, não tem como consertá-los. Eles nasceram assim e vão morrer assim. O único jeito é não entrar no jogo deles.

  • Junior

    Domingo descobri mais uma. 15 anos de convivência, diversas traições. Separação. Depois de um período, cai na fraqueza, consequência disso, ela engravidou. Estávamos morando em casa separadas e continuamos assim. Mas nos víamos com frequência. Agora descobri, que estava comigo e saindo com outras pessoas também. A dor é cortante, e o pior é ter que provar que realmente a pessoa fez, conseguir provar, e mesmo assim a pessoa tem a capacidade de te culpar pelo ocorrido. Gostaria muito de poder ajudar ela, mas tenho certeza que ela não irá melhorar, vai acabar comigo, até eu morrer de desgosto. E achar a próxima vítima. Muito triste. Espero em Deus que eu consiga me reerguer. E irei pedir por ela, que ao menos reconheça que é doente.

  • andreia

    Olá gente. vejam o que acham do meu depoimentos, depois de todas estas leituras tenho certeza que ele é um psicopata: “Namorei durante 7 anos com um rapaz, já estávamos prestes a casar quando ele em uma festa na minha casa, passou uma mensagem estranha para minha irmã, de vulgaridades, falando que sentia tesão nela e tudo mais.. Só que nessa época era no tempo que existia apenas torpedos, ainda não era a era do ZAP. Ele nunca confessou, falou que não lembrava, que talvez bebeu demais e que não fez isso. Ele sempre foi uma pessoa que teve problemas financeiros e se torturava com isso, falava que ia se jogar da ponte, que ia tomar remédios para resolver a situação de vez, que ia se matar. E eu sempre vendedor minhas coisas e fazendo empréstimo para solucionar, me afundando. Mais apesar disso eu continuava, mais a mensagem foi o fim e nos separamos.
    Acontece que com 2 anos depois, eu cai na tentação de voltar e ele me prometeu mudança, falou que iria mudar, ir a igreja, parar de beber, se controlar financeiramente, evitar contato com minha irma para não cair em tentação, mais não adiantou e agora 1 ano e 4 meses depois, ele mandou novamente mensagens estranhas para minha irmã , neste dia ele bebeu muito e falou muita coisa estranha via ZAP, ele me mostrou e fiquei decepcionada mais uma vez e decidida a terminar. Ontem terminei com ele, mais não falei que foi por conta disto, acontece que ele desconfiou e falou que aceitava a separação, mais que estava com muito ódio de uma pessoa e que quem rir por ultimo rir melhor.
    Tenho certeza que foi uma ameaça para minha irmã, pq é claro que ele desconfiou. Ele não que me perder pq dou status a ele, ele vive meu mundo, meus amigos, minha vida.. Eu tenho um vida financeira perto da dele muito boa e ele não quer perde essa mordomia. Acontece que preciso sair dele agora aos poucos e não sei o que faço, tenho medo de terminar de evz e ele fazer mau a minha irmã, vou ficar com um relacionamento com uma pessoa que já não confio e não amo mais, pra mim td dele é mentira e falsidade. Não sei como sair desta, sem perder minha irmã.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Andreia, assim de seu depoimento não dá para concluir se ele é psicopata ou não. Dá para ter certeza, sim, que ele lhe faz mal. Por que você deve ficar numa relação que lhe faz mal? E por que você deve aceitar ser veladamente chantageada por ele? Tanto você quanto sua irmã podem se proteger dele não saindo sozinhas durante um tempo, não o deixando entrar na casa e se for necessário, se ele assediar, façam um BO na delegacia, com provas de assédio, como as mensagens que ele mandou para sua irmão. Não delete, guarde pois serve de prova.
      Você ficar com ele não vai proteger sua irmã. Você não pode controlar tudo que ele faz. E como você já constatou que ele mente e é falso, nada que ele diga é confiável.
      Una-se à sua irmã e se protejam as duas.

  • Vitori@

    por favor se puderem me ajudar….sou casada a muitos anos e ele sempre foi frio, mentiroso, ardiloso, ele me afastou de todos amigos e familiares, ele não tem 1 único amigo tampouco convive com seus familiares, ele era doce e amável somente até eu ter meu primeiro filho e então ele me forçou a mudar para longe, ao chegarmos na outra cidade ele se transformou eu era muito jovem e fui aceitando (não sem reclamar) e as coisas só pioraram, ele parece odiar td e todos, eu já quis me matar muitas vezes mas eu não tinha coragem de deixar meus filhos sozinhos e nunca ninguém acreditou em mim…me abandonei como pessoa…não sei a quem recorrer…não tenho mais famíli nem amigos …achar esse site foi uma esperança que surgiu…preciso achar um caminho para me libertar…

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      O primeiro passo é você pegar seu poder de volta. Como está sua saúde? Você tem como se tratar? Pois nesses casos a saúde também fica abalada, e nem fisicamente se consegue fazer alguma coisa. O segundo passo, uma vez se sentindo mais forte, é planejar cuidadosamente sua rota de fuga, com o mínimo de prejuízo para você e seus filhos. Você pode também procurar uma terapia que a ajude nesse resgate. Se você está sem recursos (que é como ficam as vítimas desse tipo de pessoa), há clínicas gratuitas nas universidades de psicologia. Procure na sua cidade. Se a situação estiver perigosa, junte provas do abuso, como gravações, fotos, e o que der. Isso será valioso se vocês chegarem a brigar na justiça. Também você pode procurar a delegacia da mulher.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Todos nós temos forças que não sabemos que temos. Você também tem essas forças. O psicopata fez você acreditar que não vale nada. Não acredite! Vá se tornando independente dele. Procure um médico para se fortalecer fisicamente, para arrumar sua saúde que deve estar abalada. Quando temos o corpo debilitado, é difícil agir. Você é dependente dele financeiramente? Se for, procure um caminho para se tornar independente. Como estão seus filhos? Que idade têm eles? Junte todas as provas dos maus tratos, das mentiras, do abuso que você conseguir. Isso poderá lhe ser muito útil no caso de uma disputa judicial pela guarda dos filhos. Você tem alguma religião? Se tiver, procure ajuda. Sempre dá para encontrar um ombro amigo de verdade.

  • Dai

    Seu texto descreve perfeitamente o relacionamento que estou vivendo. Suas palavras aqui, parecem sair da minha alma. Tudo aconteceu de forma extremamente rápida, fui manipulada e iludida como nunca havia sido. No momento estou morando com esse psicopata que está sugando toda minha vontade de viver. Já o identifiquei, mas não sei como sair dessa relação.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Dai, quais são as causas que prendem você a ele? Você tem família, amigos, que porventura possam apoiar você na separação? É muito importante você agir de cabeça fria e planejar sua rota de fuga com o mínimo de prejuízo para você. Pois ele vai tentar manipulá-la nisso também. Você tem como fazer terapia?

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Dai, o primeiro passo você já deu que é abrir os olhos. Vá se fortalecendo fisicamente e psicologicamente. Vá a um médico para verificar seu estado de saúde, tome vitaminas se precisar. Faça alguma coisa que você gosta, dê esse presente para você mesma. Se puder, procure uma terapia com alguém que entende de psicopatas e de suas vítimas. Se não entender, não adianta, que você poderá se retraumatizar. Sentir-se refém do psicopata quando ainda morando com ele é mais do que esperado, porque eles fazem isso mesmo: deixam a vítima indefesa, controlada, nas mãos deles. Mas você pode e deve sair dessa. Comece a juntar provas das mentiras, das agressões verbais. Tudo isso poderá lhe ser útil. Vá traçando sua rota de saída com firmeza, não faça nada precipitado, pois a situação poderá ficar ainda pior para você. Você tem família que a apoia? Tem amigos? conte com eles. Tem alguma religião? Procure apoio espiritual. Como está sua situação financeira? Se estiver dependente dele, procure uma forma de se tornar independente. Quando a gente começa a agir, novas possibilidades surgem. E acima de tudo, acredite em você (pois eles fazem a gente acreditar que somos um lixo). Não caia nessa!

  • annatowa

    Tenho 32 anos, o conheço desde que nasci.
    Quando ele era criança sempre demonstrou diversos problemas de comportamento, era a criança “problemática”, aquela que todo mundo bufava quando chegava no ambiente.
    Aos 15 namoramos e perdi a virgindade com ele. Fui estuprada por ele e por um amigo dele sem saber que aquilo era um estupro – achei que eu estava no lugar e na hora errada e a culpa era minha.
    O reencontrei ano passado e ele me pressionou rapidamente a morarmos juntos, após dois meses de namoro pelo whatsapp (eu mudei de estado e não podiamos nos encontrar com frequencia).
    Mudei-me de casa porque ele não gostava da primeira, queria demonstrar o status que eu tinha para os familiares e amigos como se ele tivesse conseguido. Mas eu queria a família e os bebês que ele havia me prometido, a vida de marido e mulher que parecia tão perfeita e desejável.
    Rapidamente os problemas com drogas e mulheres apareceram, quando três meses depois eu pedi a separação. Como todo bom psicopata, ele me culpava e decidi que ele retornasse à minha vida. Mas, em menos de 15 dias de separação ele já estava com outra mulher que, como eu, tem excelente posição profissional mas é carente, abandonada pelo ex-noivo grávida.
    Quando novamente caí em suas garras, quando ele me dizia que não gostava dela e queria voltar, descobri que ele estava colocando ela e eu uma contra a outra… Para que ambas sustentassem a vida promíscua e de drogas a qual hoje ele leva. Ele não tem critério, sexo ocorre com qualquer pessoa, de qualquer estilo e sexo.
    Ele se enquadra em todos os aspetos do psicopata clássico: Só se preocupa com a sua dose de dopamina diária, é um parasita em potencial (só admite mulheres educadas e profissionais qualificadas em sua vida), sexo não tem limites, se vangloriza de qualquer uma das maldades.

    Hoje eu choro todos os dias. Ao passo de que racionalmente eu saiba que ele jamais amará ninguém, ainda tenho forte sentimento de culpa. Ele soube ir fundo na minhas maiores vulnerabilidades, jamais aceitaria deixar alguém morrer de fome, de sede e usa isso para me atingir “vou parar na cracolância por causa de você”…

    Não existe fim, é simplesmente esse amontoado de sentimentos doentis e assustadores.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Annatova, todos os sobreviventes passam pelo que você passa. É preciso de um ato de grande coragem para começar a sair desse inferno. Ninguém, ninguém vale a pena do sacrifício de sua vida. O sacrifício de uma vida é válido quando cria mais vida, não mais morte. Procure ajuda de um terapeuta para sair dessa. É muito difícil sair sozinha, pois toda a energia é sugada por esse tipo de pessoa.

  • Flor

    Nossa porque eu não tinha visto esse site antes, confesso que sempre suspeitei que meu ex marido tinha sérios problemas mentais, mas não conseguia identificar . A cada texto que li aqui hoje pude entender perfeitamente o que eu passava. Me separei tem 3 meses, sofri 5 anos de total abuso psicológico, ele me convenceu de que eu tinha ganhado na loteria em estar com ele, me afastou da família, das amigas e quando eu comecei a cansar disso tudo ele logo percebeu que estava me perdendo e começou a me trair, eu logo desconfiei , mas ele claro me convenceu de que eu era louca, a mim e s todos. Quando eu enfim consegui provas da traição e de que eu não estava louca, eu me separei e ele instantaneamente assumiu outra antes mesmo de eu sair de casa e fica o tempo inteiro postando felicidade em rede social. Confesso que a pior parte é entender como alguém pode ser tão cruel.Estou tentando me recuperar ainda, o site me ajudou demais a começar a tentar entender que não adianta tentar entender pq ele foi tão cruel,
    não tem explicação, ele é um psicopata . Tá muito difícil esquecer, tirar essa mágoa de dentro de mim, já não sei mais o que fazer pra seguir a minha vida!

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      O caminho de recuperação costuma ser longo. Mas não desista! É como atravessar o inferno. Não pare, pois uma hora ele acaba. Procure uma boa terapia com alguém que realmente entenda o que é ser vítima de psicopata.

  • gabrielavt

    Boa noite!
    Estou lendo sobre o tema desde setembro do ano passado, quando fui descartada no dia do meu aniversário e por telefone. Foi um namoro relativamente curto, 1 ano e 2 meses na primeira fase, mas foi intenso. Ele apareceu na minha vida quando estava frágil, saindo de um outro relacionamento tóxico que durou 11 anos, o antigo era terrível, mas o que me apareceu depois foi algo muito pior.
    Ele me conheceu quando eu ia fazer 30 anos, preparou uma festa no sítio, me pediu em casamento e eu nem acreditava no príncipe que tinha me aparecido, logo fomos ver buffet e eu acreditava em tudo.
    Ele comprou cama, TV e pagou dívidas minhas, essa é a parte que não entendo, ele gastou muito pra me enganar?
    Bom, resumindo eu sabia que algo estava estranho, mas não segui minha intuição, tem 3 dias que estou novamente saindo dessa relação terrível, que foi e voltou tantas vezes, e nessas “ficadas” já se foram mais 9 meses.
    Ele nos últimos tempos me deixou sem energia nenhuma, hora me ama, hora me quer longe, muda de atitude do dia pra noite.
    Me compra presentes caros e depois termina, enfim, ele me disse que não tem como me tratar como mereço, então decidi seguir minha vida.
    Ele mexe muito comigo, me desequilibra, me sentia louca, faço terapia, ele até disse q faria terapia de casal, mas muda de ideia.
    Ele me traiu algumas vezes, nunca assumiu… a ex dele me enviou conversas deles e provas, ele se alterou, disse que era mentira… enfim, uma tortura…
    Só quero ter forças para não voltar para essa teia terrível…
    Alguém sabe me dizer, por que ele gasta comigo se está me enganando?

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Gastar com você faz parte do jogo. Você fica assim, sem entender o que está acontecendo, cheia de dúvidas. É exatamente isso que ele quer. Isso se chama tortura psicológica. O dinheiro que ele gasta com você pode estar vindo (com quase toda a certeza) de outra vítima que está explorando ao mesmo tempo, e que não sabe de nada do que ele faz com você. Nem sabe de sua existência como você não sabe da existência dela.
      Sair fora o quanto antes dessa armadilha é o que você deve fazer se quiser manter sua sanidade física, financeira e emocional. Procure ficar SEM CONTATO. Assim você tem chances de se curar desse veneno mais rápido.

  • Maria Nazaré

    Conviver com um psicopata é algo que nunca pensamos passar na vida. Bom eu conheci um o homem lindo,e de incrível bom gosto.No primeiro ano de convívio já comecei a perceber como mandava,tudo ao jeito dele,é o que não dava certo a culpa era minha.Me dava prêmios e castigos. Só que eu ainda não via,quando tudo dava errado achava mesmo que era culpada e sofria muito.No meu caso ele é chileno e este começo foi no Chile,o que tornou tudo mais difícil. Bom depois retornamos ao Brasil e começou a me isolar dos amigos que eu tinha antes, de minha família,da internet. Só tinha contato com amigos que fizemos juntos,redes sociais só ele participava, até que descobri que falava muito mal de mim nesse meio e pedia consolo pra mulherada,me chamava de osso,manipulável,feia,velha,fraca,etc e eu comecei a me sentir assim,tinha vergonha de mim,minha auto estima lá embaixo. Bom pra encurta, minha mãe faleceu sem eu ter me despedido dela,dois dias depois essa pessoa me ameaçou com um pau nas mãos,perguntando se eu queria morrer que ele ia me matar, não sei como consegui fugir. No outro dia mandou SMS que não lembrava o que tinha acontecido,ele nunca trabalhou,com a separação ajudei pra não passar fome e a somar o dinheiro que vinha do aluguel de sua kitnet,para ele voltar ao Chile. Tenho vergonha de dizer,mas me entreguei a ele algumas vezes antes de ires,se foi no dia 13/10/17, foi difícil ele não queria ir.Sofri muito. Tá muito recente,e a pouco me ligou falando que me ama,pra mim foi como sofrer um chok , fiquei sem saber o que falar,ainda sofro e sinto a falta,mas tive força pra tirar ele de minha vida e vou ter pra não aceitar mais.Obrigada.

  • nat14

    Meu caso durou menos tempo do que da maioria, 10 meses. Porém, foram os 10 meses mais estressantes da minha vida. No começo ele se dizia um bom rapaz, contei do meu ex relacionamento, e ele prometeu me fazer feliz. Só que ele agia estranho, colocava vários defeitos em mim, que eu tinha que mudar isso e aquilo, e logo terminava por qualquer coisa. Eu ficava sem compreender o pq dele fazer isso, e ficava pensando nas coisas que ele me falava, ele me enchia de defeitos e me acusava de ter feito coisas que eu não fiz, me acusava de ser ciumenta demais e possessiva (sendo que eu nem havia demonstrado tais atitudes pra ele). Minha mãe tentou ajudar com ele, pois ele havia conquistado ela, e pior, ela dava razão pras coisas que ele falava a meu respeito. Foi ajudado ele um monte, inclusive espiritualmente, achávamos que ele era assim pelo fato de estar longe da família, enfim, ele usava o fato dos irmãos o rejeitarem, também já não se sabe se isso é verdade. Ele se fazia de vítima, inventou ter câncer pra deixar nos preocupadas, ele planejava toda a cena, dizia que queria se afastar pra não me fazer sofrer, e eu e minha mãe caímos nessa. Perto de um concurso público que eu realizei, ele começou mudar de comportamento, procurou motivos pra brigar, me encheu de defeitos, e ainda por cima, pra piorar, ele enviou foto com outra moça pra minha mãe, dizendo que iria namorar com ela, tudo isso pra me atingir, o que acabou é que não consegui estudar pro concurso nem fui aprovada. Ele fazia cena, depois de brigar, ele chorava, fazia drama, chantageava, mencionava a “doença” dele, dizia que viveria por pouco tempo, usava a doença pra me encher de defeitos e me diminuir como pessoa, afirmando que eu era cruel com ele, que tinha o olhar de uma pessoa má. Ele usava nome de outras mulheres pra me ferir, dizendo que ele poderia estar com outra pessoa, mas escolheu estar comigo, que me amava. Ele mesmo começava a briga do nada, se aborrecia com pequenas coisas (quando digo pequenas, era minúsculas mesmo, teve um dia que ele ficou bravo com o jeito que peguei uma folha na mão dele), daí ele era cruel com as palavras, e dizia que fulana, beltrana e ciclana é que eram mulher de verdade, não eu. Ele despertou em mim meu pior lado, meu lado, me fez ter atitudes que eu jamais teria estando em paz e bem. Ele começava a briga e puxava a razão pro lado dele, isso me causou desgaste emocional. Ele é mal agradecido, comia de graça todos os dias na minha casa, últimos tempos minha mãe não suportava olhar pra cara dele, a roupa dele tbm era lavada na minha casa. A última que ele fez foi a gota d’água, porque comecei estudar pro concurso da polícia civil do estado onde moro, e ele começou a surtar de novo, começou querer chamar a atenção pra ele, ele dizia que iria me ajudar, porque me ama, mas fez tudo ao contrário. Começou as infantilidades, como não dei bola, ele partiu pra briga, mencionando as Taís “amigas” dele, depois me atacou com mensagens de texto vindas do celular da empresa onde ele trabalha, depois disso apareceu no corredor do prédio no escuro, deu um susto na minha mãe, ele estava tentando se reaproximar. No sábado, quando ele viu que eu publiquei foto em uma piscina, ele vendo que eu estava bem, foi publicar foto com a moça de outrora, afirmando que ela é um presente que a vida deu pra ele, tudo isso pra me torturar e me deixar mal. Decidi que essa era a gota d’água, que não voltaria mais. Próximo ao meu aniversário em novembro, ele veio com mensagens de texto ( eu o bloqueei em outros meios), dizendo que estava com meu presente, querendo se acertar, eu o ignorei, no dia seguinte ele veio novamente, mas eu não estava em casa, ele enviou milhares de mensagens se declarando, eu não respondi nenhuma, ele deixou flores e um tercinho na minha vizinha. No dia seguinte quando voltei do meu curso, ele desceu na garagem, fez um drama todo, me pediu perdão, se ajoelhou, mas como não acreditava mais nele, eu dei risada. Veio com mais presentes. A noite do mesmo dia conversamos, mas ele continuou com a tortura psicológica, e ainda afirmava que não queria me torturar, e mencionou novamente as Taís meninas, eu peguei o celular dele e li conversas, ele havia me chamado de louca pra várias meninas bem novinhas, e ainda por cima me traiu com uma delas. Depois daquele dia mandei ele viver a vida dele, fiquei dias perturbada, mas passou. Depois ele veio atrás com chocolate e flores, mas minha mãe que foi falar com ele, e pediu pra ele ir embora. Ele deixou a caixa de bombom no espelho do meu carro, mas não sabemos como ele entrou na garagem pois nenhum dos moradores havia visto ele, e pra entrar lá precisa de chave. No dia seguinte registrei um BO, estou com uma medida protetiva pra manter ele longe. Ele até tentou uma reaproximação, foi na academia pedir os horários que eu vou, mas as meninas de lá me conhecem e já deram um corte nele. Então, pra me ferir novamente, ele assumiu relacionamento com a outra menina, mas ainda sinto que é só pra tentar me ferir, e sei que ele manipula as pessoas e fazem elas acreditarem que sou louca, a mãe dele acha que ele é santo, pq ele falou que registrou bo contra mim, kkk, e ela acredita. Só soube do “romance” novo pq eu ainda tinha a mãe dele em rede social. Eu sei que isso tudo ele só está a fazer pra eu ir atrás, e ele ter motivo pra me denunciar, já que fiz isso com ele. Eu agradeço a Deus por ter me livrado dele, e se ela estiver mesmo com ele, boa sorte pra ela, quero ver se aguenta. Porque psicopata só finge se importar, mas ele sente prazer em pisar e puxar a pessoa pra trás.

  • Michele Rodrigues

    Dor imensa, nn faço papel de esposa mas sim de enteada. A algum tempo percebi os maus comportamento do meu padrasto e a grande inocência e tolice da minha mãe, até que resolvi procurar um profissional e acabei me aprofundando no assunto e descobrindo que meu padrasto é um psicopata de fichinha, fico desesperada com relatos do quão doloroso de todos vocês sabendo que logo será a vez da minha mãe, ela defende ele com unhas e garras e lógico que nn sabe o quão ruim ele é, e infelizmente vivo nessa casa vendo ele fazer o que quer colocando ela conta mim , agredi-lá e ela ainda achar que está errada ! Horrível assisti de camarote sem poder tocar no ” cantor” . se alguém tiver um grupo Onde fala o assunto pfv me chamem , preciso de ajuda e algumas perguntas como ” até quando a minha mãe vai ficar nessa ? Já fazem 13 anos. “

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Michele, solidarizo com você pelo sofrimento em relação à sua mãe. É desesperador que enquanto a pessoa está sob o feitiço do psicopata não conseguimos fazer nada, apenas assistir e estar por perto quando a terrível destruição começar.
      Quando ao grupo de apoio, estamos estruturando um em São Paulo e anunciaremos em breve onde e como vai funcionar. Se quiser entrar em contato particular, por favor escreva para superasas.x@gmail.com

  • Marih Santos

    Olá! Vou contar um pouco da minha história.
    Há 6 anos atrás me envolvi com uma pessoa que eu achava que era perfeito. Me tratava bem, cuidava de mim, me fazia sentir feliz!!!
    Depois de uma ano e meio eu engravidei. Daí começou o meu pesadelo. Ele me traía e quando eu queria separar ele me envolvia, me enganava, usava de falsidade e eu que era apaixonada, acreditava.
    Quando estava no último mês de gestação, soube de muitas coisas dele, peguei mensagens, ligações e resolvi ficar na casa de meus pais até ter minha filha.
    Depois do parto, ele voltou me procurar, se fazendo de santo e eu de novo perdoei. Voltei.
    Com o tempo, ele começou a querer me controlar, não aceitava que eu tivesse redes sociais, não queria que eu tivesse amigas, me humilhava, me deixava pra baixo, me sentia a pior pessoa do mundo. Entrei em depressão, tomei remédios, pensei em me matar inúmeras vezes. Mas Deus sempre me guardou, sempre me protegeu.
    Consegui sair do fundo do poço.
    Mas mesmo assim ele mentia descaradamente. Sabia de casos dele com outras. Pegava mensagem no celular, número de mulheres. E ele negava. Fui desgastando. Queria sair, e toda vez que ele percebia que estava me perdendo, se fazia um doce de pessoa e eu caia. Mas o amor estava acabando. Toda vez que discutimos ele me humilhava, e se exalta. Que ele é o melhor. Que eu não dou nada sem ele. Que o que eu tenho é tudo por que ele me deu. E eu chorava.
    Agora recente, ele pegou meu celular, descobriu que eu tenho Facebook, viu umas mensagens que troquei com um amigo, e veio querendo me dar lição de moral. Eu simplesmente não respondi. Deixei ele falando sozinho.
    Agora, vive me ameaçando. Fala que vai me matar, que eu não escapou dele, que vou pagar ele. Que eu não vivo. Me levou prum canavial e queria que eu descesse do carro que ele ia me mostrar. Acredito que Deus me socorreu mais uma vez. Pq eu não desci, estava com nossa filha de 3 anos e ele não me fez mal algum.
    Porém, todos os dias ele me ameaça, fala que posso ligar pra polícia, que ele não vai correr que vai me matar e eu vou ver.
    Praticamente me estuprou, fez relação comigo sem meu consentimento, me machucando. E falava que ia me deixar. Já pedi ele pra sai da minha casa, mas ele não sai. Já tem que eu não como, não desce nada. Me ameaça, grita comigo, me humilha e eu não sei o que fazer.
    Sei que preciso sair dele, mas não sei como fazer. Acho que estou entrando em depressão de novo. Minha cabeça dói, meu corpo todo treme, não consigo me concentrar. Não tenho amigos, não saio. O que fazer para ser feliz?

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Essas criaturas ameaçam justamente para manter sua vítima sob seu controle. Primeiro, vá se fortalecendo e construindo uma rota de fuga. Você depende dele para sobreviver? Então construa uma forma independente de ganhar dinheiro. Vá cuidando de sua saúde que deve estar um caco. Você tem ajuda de familiares? Conte com isso, e saia dessa relação o mais rápido possível. Vá juntando provas das ameaças, dos abusos, pois isso será necessário num processo judicial. Você poderá evocar a Lei Maria da Penha contra violência doméstica. E violência doméstica é também violência psicológica e financeira. Se puder leia o meu livro recém-lançado, O Mal disfarçado de Bem, manual de sobrevivência para vítimas de psicopata.

  • odaraaaa

    POR FAVOR ME RESPONDAM, ESTOU DESESPERADA!
    Namore por cerca de 10 meses com uma mulher. No começo era tudo maravilhoso, e tinha saído de um processo pesado de desintoxicação de uma antiga relação minha. Ela chegou, linda, com o mesmo pensamento que eu, uma ideias maravilhosas, tudo nela me chamava atenção, a voz, o cheiro, o toque , tudo. Foi tudo lindo durante um tempo, ela me trazia doces, flores, poemas. Me levava a lugares bonitos, me fazia chorar de tanta coisa bonita que me dizia. Desde o inicio que apesar de todas essas demonstrações, ela se mostrava fria em relação a algumas coisas. Lembro-me que meu cachorro que eu tinha há quase 13 anos morreu e ela me deixou sozinha, não mostrou nenhum tipo de sentimento, nem mesmo por me ver tão mal ,mas eu não consegui enxergar nada naquela atitude. Passando o tempo ela foi se transformando em outra pessoa, era como se eu tivesse inventado tudo aquilo, tudo que fez eu me apaixonar e aquela pessoa não existisse. Começou a me gritar, a me tratar com muita rispidez por causa de besteiras e fazia com que eu me sentisse culpada por aquele tratamento ” se vc não tivesse feito isso, eu não teria respondido de determinada forma!”. Muitas vezes eu me sentia culpada, até mesmo cheguei a pensar que eu cobrava muito dela,. Bom, eu só pedia reciprocidade e afeto e ela fez com que eu chegasse a pensar que eu estava pedindo demais e que era normal ser tratada daquela forma, como um lixo. Já chegou o ponto de ela me agredir fisicamente, me largar sozinhas em lugares escuros e desertos. Eu sempre chorava e perguntava o por quê de fazer aquelas coisas comigo, o que eu estava fazendo de errado para receber aqueles tratamentos? Ela ria de mim, dormia enquanto eu falava, gritava, xingava, o pior para mim era ela me abraçar, me colocar no seu peito e me balançar ate ela mesma caia no sono, como se não tivesse acontecido nada. Ela falava das ex dela, do rastro de destruição que ela tem com um brilho no olhar.. como se tivesse orgulho disso, sabe? E só agora eu consigo enxergar isso. Sempre culpou as ex dos comportamentos que ela tinha. Era extremamento narcisista, egocêntrica e egoista. Minha autoestima esta balaçadissima, pois ela falava coisas que me diminuia, tanto intelectualmente, como fisicamente. Pensei em tirar a minha vida muitas vezes, eu já tenho um quadro de abusos e depressão e só tenho 19 anos… falei isso a ela, ela m respondeu com toda indiferença que pode existir no mundo Eu dei tudo por essa relação, dei tudo que eu tinha e não tinha, fiz coisas que eu nunca fiz por ninguém. E agora eu esto aqui, acabada, principalmente psicologicamente.. cheguei a pensar que iria ficar louca. Ela soube de todas as minhas fraquezas e usou tudo contra mim. Chegou a me falar que era uma psicopata, eu tentei ajudar, muito.. mas sinceramente o fato de ela ter confessado só piorou a situação, ela sempre usava isso como desculpa para me acabar e rir de mim depois.
    Vi um relacionamento lindo se tornar em um pesadelo e agora estou aqui, sem saber o que fazer para m curar.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Odara, todos os relacionamentos com psicopatas acabam no que você está passando. Essas criaturas destroem suas vítimas e têm prazer nisso. Lancei recentemente um livro no qual estão delineados os sintomas das vítimas e os passos para a cura: O Mal disfarçado de Bem, manual de sobrevivência para vítimas de psicopata. Aconselho a lê-lo. Então, podemos conversar sobre alguma coisa que precise de mais esclarecimentos. Mas saiba que entender o que aconteceu com você é o primeiro passo, e cortar qualquer contato com essa pessoa é o segundo passo, ou concomitante, se possível, mesmo que seja blindagem apenas emocional.

  • jessica

    bom primeiramente quero agradecer este texto maravilhoso,pois eu tbm vivo em um relacionamento assim ,bom o meu caso meu esposo esta preso e estou tentando mim libertar ja temos 10 anos de relacionamento lembrando quando eu conheci ele nao estava no crime ou melhor estava de ferias dele,pq depois fui descombrindo coisas horriveis enfim mi apeguei a deus e o senhor esta mim mostrando o caminho a se tomar confesso que a cada passo o medo mi atormenta pois ele diz varias vezes que nao aceita isso e que nao vai mim deixar em pax ,mais quero agradecer voces por estes textos maravilhoso pois mi servi de muita ajuda !!!!!
    (sem julgamentos por favor)

  • Maristela Silveira

    Eu me separei há 3 anos e tenho que “conviver” com o psicopata do pai da minha filha.
    Ela tem 9 anos e fica com ele a cada 15 dias no final de semana.
    Ele nunca deixou de vê-la mas sempre dificulta o horário de buscá-la ou trazê-la.
    As vezes cria situações em que não entende o que eu quero dizer, até pq eu procuro me afastar dele o máximo que posso, e ele acaba sendo explosivo. Percebo que ele me trata mal quando se dá conta que estou namorando ou estou feliz, aí ele provoca alguma situação para me fazer infeliz. Toda vez que isso acontece, sinto pavor dele, como se fosse um filme de terror. Sinto até que vou ficar doente, porém penso racionalmente e procuro entender pq ele agiu assim e até mostrar para ele. Ele parece sempre apático ao que eu falo.
    é uma situação complicada pois como ele é o pai da minha filha, a sensação é a de que nunca terei paz. Eu sou muito tranquila e isso me ajuda e lidar com o dia a dia de maneira mais leve.
    Como lidar com ele? Por mais que eu tente, me previna, me antecipe nas situações para não sofrer, por ser tranquila, acabo baixando a guarda e sofrendo novamente.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Maristela, você terá que desenvolver um afastamento emocional. Construa mentalmente uma armadura de defesa ao seu redor, de forma que tudo que vier dele não atravesse essa armadura e não chegue até você. Essa construção é diária, toda vez que se sentir vulnerável. Vale para proteger sua felicidade, seu namoro, seu bem-estar. É verdade que enquanto sua filha for pequena e até mais tarde, você não vai poder deixar de ter contato com ele. No entanto, fazer ele entender os seus sentimentos e suas necessidades é perda de tempo, pois para esse tipo de gente não importa nada o que os outros sentem ou necessitam. Procure ser bem objetiva quanto aos direitos de sua filha, e quanto à proteção dela para que ela não seja manipulada pelo pai. Vá ensinando-lhe o que é verdade mas nunca falando mal do pai para ela. Seja o mais neutra possível quanto ao pai, com ela. Crescendo, ela vai descobrindo e vendo as coisas como são.

  • Mx

    Mica

    Tentando identificar o perfil de uma mulher extremamente bonita e atraente, que considera o “privilégio de estar com ela” motivo para que possa fazer o que bem entende em uma relação. A briga recente foi porque aproveitou que estava dormindo para vasculhar meu celular a procura de “provas, ou motivos para” nem eu sei bem para que – logo em um momento em que estávamos bem. Vasculhou, apagou midias, ligou para pessoas em plena madrugada e acusou de milhares de coisas absurdas por encontrar uma conversa com uma mulher (bonita), contato profissional, sem nenhuma conversa, totalmente vazia e ainda arquivada. E a contrapartida não aceitou: quando pedi a senha do seu celular para me divertir também, se recusou. Continuou acusando mesmo depois de recomendada a ligar para a pessoa e para a empresa para confirmar o que eu dizia. Exige separação já que para ficar juntos, seria apenas nos termos dela, na forma como ela quer, e continuou exigindo minha senha e recusando ceder a dela para que eu olhasse (o que nunca vi necessidade, já que acho absurdas estas desconfianças e tenho justo respeito à individualidade de qualquer pessoa).
    Dá mais importância ao celular e suas selfies e likes, sempre lindas – do que aos filhos e esposo. Mente e inventa casos extraconjugais somente para ofender. Agrediu fisicamente – na frente das crianças – e conseguiu reverter qualquer reação (minima que fosse) para alegar agressão à mulher. Acusa de coisas sem provas, reclama de tudo sempre, destruindo minha autoestima e sim, roubou minha alma, tirando toda a música, arte e vida que – afinal de contas, foi o que a deixou encantada (juntamente com a paparicação que ela necessita, por ser linda).
    O dia a dia com ela também é um suplicio, já que ela não consegue falar, apontar alguma coisa que esteja errada, sem gritar e ofender. Por coisas simples, leite derramado mesmo. Coisas que, aliás, já são pesadas por si, enxergando sempre o lado negativo de tudo. E após estes episodios (também com os filhos), age normalmente, não compreendendo que isto possa ser algo negativo ou ruim a ponto da pessoa ficar ofendida. Fala em vitimismo, em melindres e reverte o jogo SEMPRE.
    É uma pessoa que tenta ser espiritualizada, ser vista como alegre, astral, linda, admirável, invejável, sexy e se alimenta de elogios (que, se não forem do cônjuge, pode ser do cara da construção mesmo).

    Isso para comentar que seu post não ajuda muito para quem tem filhos. Tenho um menino de 3 anos que amo imensamente e que sente muito estas brigas, mal estar e separações. E faz de tudo para demonstrar que fica alegre quando tudo fica bem, enaltecendo a união da família em primeiro lugar.

    Mas, mesmo com muito amor no coração… antes pensava mil vezes antes de sair de casa – sempre com medo de ter remorso, de sentir que perdi uma mulher que todo homem deseja… depois, quinhentas vezes, e agora… já não estou quase pensando duas vezes em desfrutar pleno conforto que tenho disponível e morar sozinho. Com o panico de como será a relação com ela no trato com o filho.

    Peço que comentes ou construa outro artigo, considerando os filhos em uma relação e separação com um psicopata. E, se eu estiver errado, se não há indícios de que ela seja, por favor me corrija.

    Um abraço e obrigado pelo post.

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Prezado Mica, quando há filhos envolvidos (e temos muitos casos assim), a vítima sofre um inferno todo especial, pois o cônjuge (ou ex) usa o filho para continuar torturando e explorando o parceiro/a. Os juízes normalmente tratam desses casos como casos de separação tumultuada, e não enxergam a verdadeira identidade do abusador, que diante do juiz se apresenta calmo e maravilhoso, e é a vítima que aparece desestruturada e “louca”. Assim o verdadeiro abusador vira toda a história do avesso.
      Todo cuidado é pouco, e o mais importante é a vítima, no caso, você, manter um contato amoroso e construtivo com o seu filho, mesmo que ela tente (e isso acontece muito também!) pintar você para o filho como um pai horroroso e cruel. Se a situação chegar a ser ameaçadora à integridade física e psicológica do seu filho, procure juntar provas para tirar a guarda do seu filho dela e conseguir ficar com ele. Mas para isso você precisa montar uma estrutura segura e de boa qualidade para você cuidar de seu filho. Na adolescência, o seu filho terá o direito de optar com quem ele quer morar, no entanto, infelizmente, vi muitos casos em que o abusador faz a caveira do outro com tamanha eficiência, ou chantageia o filho com tal intensidade, que o filho acaba optando por ficar com o abusador. Já vi casos também em que o abusador consegue isolar o filho totalmente do outro progenitor. Repito, ter filhos com um/a psicopata é um inferno todo particular. Cada caso precisa ser estudado com cuidado para traçar estratégias e conseguir salvar seu filho.

      • Mx

        Oi Micaela, obrigado pela resposta.
        Na verdade estou muito preocupado com os sentimentos do meu menino, que realmente sofre com estas brigas e quer muito a familia unida assim como eu – tanto que suportei tudo o que podia para que ele tivesse o pai e a mãe buscando ele juntos na escolinha todos os dias.
        Não imagino uma batalha judicial até porque, como bem citastes, a tendência em eu ser taxado como o vilão da história é bastante alta. (Seu post e o site ajudam muito para entender a mente destas pessoas). E também porque ela vai fazer de tudo para parecer correta perante todos e que o ruim era e sempre fui eu. Sei que há algumas ocorrências registradas contra outros “ex” dela e isso poderia estabelecer um padrão, mas é uma batalha bastante dificil contra a mulher em uma sociedade que possui uma lei que as defende contra agressões justas, mas que – na mão de psicopatas, pode ser uma arma funesta contra um suposto agressor. Que juiz tiraria a guarda de alguém que se mostra equilibrado como bem dissestes?
        Mas me preocupo em como agir como pai assim separado. Quanto tempo ficar longe, como conversar com ela para combinar estas coisas, como fazer esta logistica dar certo, sem que o menino sofra mais… como conversar com ele para que entenda e tenha o minimo impacto. Como manter ele saudável longe deste ambiente doente que vem da familia dela e já afeta a filha adolescente.
        Eu realmente evitei pensar em tudo isso em nome da familia unida. Me anulei totalmente em busca de uma estabilidade que, afinal, estava longe de ter fim, a exemplo desta ultima briga em que ela foi garimpar coisas no meu celular em pleno momento de tranquilidade entre nós.

        Como não falhar como pai e mostrar que estou presente (evitando ao máximo o contato com ela?) e continuar construindo a imagem de pai protetor, amoroso e amigo?

        • Micaela Hon
          Micaela Hon Autor do post

          Mx, você terá que se esmerar em ser um pai exemplar, alguém que inspira confiança e admiração no seu filho. Jamais fale contra a mãe, mas deixe bem claro sempre a noção do certo e do errado, a verdade, da honestidade, para que o seu filho tenha esses parâmetros para crescer. Construa uma relação de confiança, para que o seu filho saiba que possa lhe contar o que o aflige e o que o alegra. Jamais quebre esta confiança. Seja íntegro, não se anule jamais. Nada nesse mundo vale isso. Acreditando que você manteria a família se anulando, que família você queria manter na qual o pai praticamente não existe? Filho precisa ter pai que possa ser seu ídolo, seu modelo a ser seguido. Pai que mostra como se virar nesse mundo. Procure ser esse pai, que é o melhor que você pode fazer pelo seu filho. Com o tempo, e crescendo, ele mesmo saberá distinguir quem é quem. Contorne as manipulações dela, as tentativas de denegrir sua imagem para o filho (se ela é psicopata, certamente vai fazer isso). Não a enfrente, finja que está tudo bem. Não lhe dê a satisfação de ver você perturbado. Esconda seus sentimentos dela, não a deixe perceber por onde pode pegar você, pois ela vai tentar fazer isso. Os psicopatas usam os filhos para perturbar o ex parceiro.

  • Marcos Sobrevivente

    A conheci no trabalho, era gestor de uma equipe de 20 pessoas e lá estava ela, andando sempre muito perfumada, um batom vermelho na boca, a pela clara, sempre no salto alto, uma mulher muito linda! Rosto angelical, ela tinha 22 anos e eu 26.
    No começo já notei algo de estranho ali,sou um cara vivido, apesar de pouca idade, bem experiente e por isso nunca me aproximava dela, intimamente sabia que era problema.
    No decorrer dos dias ela virou assunto comentado em todas as áreas da empresa, depois começou a fazer fila de paparicadores em nossa sala, chamando-a para sair, para almoçar e etc…
    Passados alguns dias ela relata durante o almoço no refeitório que estava precisando de um fiador para poder alugar uma casa com a família dela, e disse que tinha falado com um amigo dela e ele seria o Fiador, perguntei quem era, quando ela respondeu percebi que o tal amigo era um sujeito casado, que ela acabara de conhecer na empresa , não tinha 3 dias, mas ela falava como se ele fosse intimo dela, borderlines e histriônicas tem esse traço de tratar com intimidade quem acabara de conhecer.
    No decorrer do dia ela se aproximou de mim e começou a listar os caras que haviam a chamado para almoçar ou sair, depois começou contar a vida dela, coisas intimas da relação familiar, mais um traço dos borderlines e histriônicos, falar da vida intima, sempre com histórias tristes a fim de chamar atenção e despertarem o espirito altruísta dos que estão a sua volta.
    Chegou a um ponto que tive que chamar sua atenção e pedir para maneirar no que falava da sua vida pessoal, pois estava gerando comentários, logo percebi que aquela criatura cresceu sem mãe, pois a primeira coisa que aprendi foi a não contar a minha vida a estranhos.Logo deduzir que a mãe dela não poderia ser boa coisa.
    Passados alguns dias ela me pede para sair mais cedo para resolver a contratação do aluguel, vi ela saindo da empresa com a mãe e o suposto amigo casado que se propôs a ser o fiador.
    Passados uns três dias vi ela andando de mãos dadas com o sujeito na empresa, e ele nem se deu o trabalho de tirar a aliança, depois vi os dois se beijando em baixo de uma árvore, próximo da empresa. Histriônicos e borderlines são inconsequentes e impulsivos.
    Não demorou para o sujeito tirar a aliança, assumir o relacionamento com ela para todos e o assunto ser comentado por todos da empresa, tendo em vista ele ser evangélico e estar casado a mais de5 anos e demonstrava ser muito apaixonado pela empresa.
    O relacionamento chegou ao fim em no máximo 2 meses, depois ela saiu dizendo que ele era viado e não gostava de sexo. Histriônicos e borderlines tendem a difamar os seus ex parceiros.
    Nesse tempo ela começou a ir tirar dúvidas comigo em minha mesa de decote, faltava esfregar os seios na minha cara, depois começou a me chamar no aplicativo de comunicação interna da empresa, sempre com assuntos vagos e sem sentido. De inicio fugi, orientei ela a só falar comigo assuntos de trabalho, ela sumia por uns 5 dias, depois voltava, dava outra patada nela e ela sempre voltava.
    Um dia ela me chamou e falou que estava sem namorado, que quando arrumasse um iria se trancar com ele no motel uns 3 dias! pronto, ativou em mim o instinto caçador, de homem! Pensei:” vou chama-la para sair, fazer sexo e depois saio fora” ledo engano!
    Começamos a sair todos os dias, fazíamos sexo dentro do carro, as vezes com o veículo a mais de 120k/h, ia fazendo sexo oral da ora que saia do trabalho até o motel mais próximo, visitamos todos os motéis da minha cidade! Bom, esqueci de falar, eu era casado, ela sabia, mas isso para ela era irrelevante! E para mim também começou a ser.
    Chegou um momento que larguei minha mulher que acabara de dar a luz ao meu filho para ficar com ela, estava envolvido, apaixonado, preso sexualmente a ela! Eramos igual cachorro, fazíamos sexo em qualquer lugar!
    No trabalho ninguém percebeu e isso durou por dois anos!! depois saímos da empresa e assumimos o relacionamento para todos, eu que tanto criticava o rapaz que foi seu fiador, estava lá, fazendo pior!
    Aluguei uma casa grande, aluguel muito caro, ela disse que me ajudaria a pagar, depois de muita insistência dela, fui até um cartório e me casei com ela no civil sem ninguém da minha família saber. Sim, aceito criticas, estava louco, cego, ninguém sabe como fiz isso, pois sempre fui um cara de personalidade, decidido, bem sucedido,sempre conquistei o que queria, não me apegava a mulheres e etc.
    Continuando, me casei com ela, fui morar junto e o que era ruim, ficou pior, pois durante o “namoro” quando ela era contrariada ela começava a gritar igual uma louca, quando estava dentro do carro ela abria a porta e ameaçava se jogar se eu não parasse… quando eu parava ela saia andando e sumia… não atendia telefone nem nada e eu ficava preocupado.. quando chegava em casa ela estava lá ou ia embora para a casa da mãe, colocava a culpa da briga em mim, me chamando de grosso, insensível e etc… aqui temos impulsividade, mas um traço desses transtorno.
    Quando fomos morar juntos ela começou a impedir que eu fosse na casa da minha mãe, começou a implicar com o meu filho, isolava ele dentro de casa, eu não podia nem dizer que o amava ou chama-lo de bebê senão ela dava crise, gritava, arrastava os moveis, quebrava as coisas, arrumava as coisas e ia embora para a casa da mãe, passava alguns dias eu ia atrás e a gente voltava.
    A própria mãe me disse uma vez que ela fazia isso como chantagem para eu ir atrás dela, ou seja, a mãe sabia da condição da filha,pois ela também me ligava e me estimulava a voltar com a filha dela, me disse certeza vez que só aceitava ela em casa por ser filha dela.. era o jeito.
    Nesse tempo de casamento, ela foi e voltou mais de 15 vezes, nas brigas sempre me ameaçava com a maria da penha, vinha para cima de mim e já chegou a xingar meu filho de lixo. Eu apaixonado ficava puto, brigava mas não tomava uma atitude firme e isso só aumentava e comecei a ter crises de ansiedade e síndrome do panico.
    Fomos a um psicologo, pois ela disse que minha ansiedade era causada por eu não saber lidar com mulheres, fui ao psicologo para “aprender” tratar uma mulher e tratar ansiedade,ele atendeu cada um individualmente, ela falou mal de mim para ele, quando entrei na sala ele me atendeu assustado… no outro dia ela disse que ele havia dado em cima dela e falado para ela me largar, pois eu era um monstro! Mais um traço do borderline, mentir e flertar com pessoas de autoridade, professor, médico, psicologo, chefe e etc…
    Voltei ao psicologo para tirar satisfação ele disse que não tinha falado nada daquilo, e disse a ele que não conseguia gostar dela 100%, pois tinha medo deixar ela sozinha com o meu filho e que ela gritava e me acusava de coisas que ela era quem fazia, nessa hora o psicologo mandou eu largar dela e disse que quando eu achasse uma mulher que valesse a pena eu iria gostar e me entregar a ela 100%. Foi um tapa na cara, mas eu não confiei no que ele disse, ela já tinha plantado a semente na minha cabeça de que ele estava interessado nela, dai deduzir que ele queria que eu a largasse para pega-la.
    Me sentindo culpado pela as brigas na relação, comecei a agradá-la ainda mais, ela disse que não estava se sentindo bem, queria pintar o cabelo, dei a ela 300 reais para ela pintar o cabelo de loira, paguei academia, íamos juntos! Ajudei a pagar faculdade dela, arrumei emprego para mãe dela e para duas irmãs, passei a ser mais frio com o meu filho (podem me xingar, eu mereço), abandonei amigos, família, mesmo todos me alertando que eu estava cego e em uma furada, só acreditava nela! Mas nada do que eu fazia era suficiente, ela sempre queria mais e me acusava de grosso, insensível, que nenhuma mulher iria me aguentar, que meu filho era um capeta e que iria arrumar alguém para tratar ela igual uma princesinha, que era como ela merecia! E eu me sentindo culpado e aceitando aquelas sentenças, quando reagia ela gritava, quebrava coisas e ia embora, já me humilhei para ela não ir embora, enquanto o cara do uber estava na porta esperando… ela ate mandava eu entrar pois eu estava passando vergonha!
    Nessas horas ela desistia de ir, eu pagava o uber para ele ir embora, entravamos no quarto e transvasamos loucamente, ela era igual uma atris pornô!Muitas vezes as brigas eram interrompidas pelo sexo selvagem e voraz.. ela atuava!
    As crises de ansiedade continuaram, procurei outra psicologa, mas dessa vez fui sozinho, expliquei a situação e ela disse que eu estava em um relacionamento abusivo! a Ficha caiu!! Eu estava sendo chantageado, humilhado, desvalorizado dentro de minha própria casa! Sendo escravizado pelo sexo, abrindo mão da minha identidade em prol dela.
    Voltei da psicologa, cheguei em casa questionei a ela das compras que ela tinha feito, pois gastou R$900,00 para duas pessoas e não tinha praticamente nada na geladeira, a banana que meu filho gostava de comer ela não comprou, disse que no mercado não tinha, mas estávamos falando do Extra, difícil lá não ter banana, era só uma forma de retaliar meu filho e a mim.
    Quando ela foi questionada, começou a gritar, meu filho de 4 anos estava em casa, ela apontou para ele disse gritando que já não aguentava mais ser tratada com grosseria enquanto eu tratava bem o meu filho, arrancou a aliança e jogou na minha cara! Mais uma vez ela disse que iria embora, falei para ela que daquele dia em diante meu filho não iria presenciar mais nenhuma briga que ela podia ir embora de vez (voltei a ser homem), sem gritar, sem xingar, comuniquei a ela que iria sair de casa para que ela pudesse ter tempo de pegar as coisas e ir embora sem brigas, sai, isso eram 10 da manhã, fui para casa da minha mãe com o meu filho, ela não me ligou nem nada, voltei para casa as 18, a casa estava fechada e tudo escuro… Quando entrei ela estava lá, deitada na cama! fiquei calado e comecei a me arrumar para sair de novo, ela começou a gritar, pegou as chaves do carro e escondeu, e começou a falar que queria conversar sobre as dividas, que ela queria saber como ficaria, na hora da raiva falei que não queria conversa e a mandei ir embora do jeito que veio, que não precisava do dinheiro dela.. ela disse que se eu saísse pela porta ela iria embora para sempre.. mesmo assim achei a chave e sai, junto com o meu filho.
    Nesse tempo ela ficou me ligando e mandando mensagens, depois disse que tinha achado umas fotos da minha ex no meu pc e que nos veríamos do divorcio! voltei para casa as 1 da manhã, ela ainda estava lá, com as coisas arrumadas e muito descontrolada, começou a gritar, entrei, deitei em um colchão na sala e ela começou a gritar querendo um documento onde eu abria mão de exigir qualquer quantia dela durante o divorcio, fiquei calado, ela começou a me dar tapas e pedir que eu reagisse, mandando eu virar homem, falando para eu honrar minhas calças, logo percebi a intenção e comecei a filma-la , logo ela partiu para cima de mim, arranhou meu rosto, reagir.. meu filho correu e se escondeu em um quarto.
    Tentei segura-la para ela parar, ela começou a pedir socorro aos vizinhos, fiquei sem saber o que fazer, a soltei e liguei para policia, ela continuava descontrolada e gritando, a policia não apareceu.. peguei meu filho, as gravações e fui na delegacia e registrei uma ocorrência contra ela, passados algumas horas ela foi na delegacia e registrou uma ocorrência contra mim por maria da penha, escondendo fatos e inventando outros, dizendo que era agredida a pelo menos 10 meses, dois dias depois acordei com a oficial de justiça me intimando das medidas protetivas.
    Ela foi embora para a casa da mãe, bradava aos 4 cantos que queria se divorciar de mim o mais rápido possível, contratei uma advogada e mandei entrar em contato com ela para fazer o divorcio no cartório em 24 horas, já que ela não tem direito aos meus bens, adquiridos antes e nem temos filhos.
    Ela não aceitou, disse que vai fazer pela defensoria pública, o que demora de 6 meses a 1 anos, mas disse não sentir raiva de mim e quer que eu arrume uma pessoa e fique bem, mas aos meus amigos ela já se fez de vitima, de agredida, me trata como um homem violento e disse ainda estar correndo risco de vida( aqui temos vários traços, mentira, fantasia, mania de perseguição e denegrir a imagem do ex).
    Essa historia ainda esta desenrolando, fazem 2 meses que estamos separados, tive que gastar 3 mil com advogado para me defender da maria da penha, minha sorte são as gravações que fiz no celular, senão poderia até ter ido preso, estou com dividas que tínhamos em conjunto, o aluguel tenho que pagar sozinho, estou me tratando com psicologa, deixei de render no meu emprego, apesar de tudo isso ainda sinto falta dela, acreditam? levantar todos os dias tem sido difícil, graça a Deus minha família e amigos tem me ajudado muito! Ela? Ela posta varias fotos no facebook exibindo o cabelo pintando com o meu dinheiro, espalha para todo mundo que esta correndo risco de vida, diz que quer meu bem e que eu arrume outra, mas não quis se divorciar em 24 horas, a ocorrência que fiz contra ela ainda não caminhou, vai demorar, audiência do maria da penha só ano que vem..
    Para piorar, em menos de um mês tive noticia que ela já estava com outro, um cara que ela arrumou no trabalho que eu arranjei para ela! a familia dela já está inserida na casa dele, inclusive passou o natal na casa dele! É como se eu nunca tivesse existido..
    fiquei chocado a família dele e dela achar normal a mulher se separar e uma semana depois está em um relacionamento sério!
    Contudo, o relacionamento não deu certo e atualmente ela está saindo com e com outro…
    Estou aqui, falido, com problemas emocionais, lutando para esquecer ela
    Contudo, consegui provar minha inocência no processo de maria da penha, o divorcio já saiu e estou processando o pai, a mãe e ela por calunia, injuria e difamação.. sem falar que fui ameçado de morte pelo pai dela… O suejeito disse que iria me matar por eu ter espancado a filha dele e que espancador de mulher tem que morrer, mas em consulta na policia foi constatado que responde 3 processos por maria da penha… é lamentável..
    Deus é jutos, e sei que passei por isso porque mereci e dei espaço.. mas faço um alerta, ela emitiu sinais, e eu não dei importância, se entrar em um relacionamento e algo lá no fundo, no seu coração disser que existe algo errado, fujam, fujam que é cilada!
    Características que não me atentei: Disse que foi abusada sexualmente quando criança, saiu de casa aos 15 anos e foi morar em outro estado com o namorado que conheceu na net,teve vários relacionamentos curtos, contabilizei uns 7 ou 8. O pai era violento, deixava a família passar fome, batia na mãe e a traia com varias mulheres, a mãe é uma pessoa sem cultura, interesseira e fanática religiosa, também trata os filhos de forma superficial com diminutivos como se fossem crianças ainda. A irmã, que também diz ter sido abusada, usa drogas, tem vários parceiros e é uma mentirosa costumas.
    Nunca assumiu seus erros e sempre me acusa das coisas que ela faz, a culpa sempre foi e é minha.
    Senhores, essa é minha historia, é um pouco grande, mas vale a pena pois serve de alerta! continuo aqui preso a ela, pelo divorcio e pela maria da penha, lutando para esquece-la, pois depois do termino ainda me senti culpado e só lembro dos momentos bons, indo em terapia e me apaguei com Deus para esquecer.

  • Paula
    Paula

    Pela primeira vez li um texto com o qual me identifico. Muito obrigada. Me separei há mais de 7 anos e minha filha impõe que continue tendo contato. Como a relação também era atravessada por violência física, busquei compreender por esse viés, mas nunca me encontrei ali. Há alguns meses uma psicóloga me alertou que ele é um psicopata. Hoje entendo. Apesar da separação, o medo permanece. Os jogos de desqualificação, manipulação e mentiras mudam o formato, mas não deixam de existir. Reconstruir a vida é algo desafiador. Como cuidar da minha filha para que ela sofra o mínimo possível, é outro grande e infinito desafio. Talvez o meu maior desafio pessoal foi consolidar que eu não sou louca. Que as coisas que vivi aconteceram. Que a violência, mesmo que não seja mais física, acontece. Que as coisas que acontecem de fato acontecem. Usei muito de calendários com datas e anotações do que vivia, gravações de telefone, registros e registros. O nível de mentiras e manipulações é assustador. A cada confronto com a realidade, ameaças (veladas ou explícitas, mas sempre no privado). Socialmente é uma pessoa de fácil trato, apesar de viver trocando de amigos e mudar sua personalidade conforme os novos amigos e os interesses daquele contexto. Não tem responsabilidade alguma, jogando sempre para o outro. É adoecedor porque é impossível o diálogo. Se digo que ele não pode bater no filho mais velho , muito menos ocm ela em casa (que graças a Deus não mora mais com ele), me manda mensagens preocupado com a minha violência (eu que nunca bati ou xinguei minha filha). Se coloco que ele anda muito negligente, me ameaça. Não racionalidade alguma no diálogo. O que aconteceu ele simplesmente nega, diz que não houve, que eu sou louca. Cada vez mais vem num processo de me desqualificar como mãe, inclusive para a minha filha (ele que após diversas vezes esquece-la na escola, passou anos sem poder ir busca-la e agora voltou). Pessoa com um vocabulário absurdo, para tudo tem uma tese. Precisei me agarrar muito fortemente em meus valores, no estudo da ética e da moral, pois uma resposta das mais habituais era “mas você é careta, relaxa, está tudo normal, você que é burguesa”. Tudo fica na fragmentação, então não é que ele seja violento: aconteceu naquele momento, foi pontual. Não é que ele seja negligente: esqueceu ela porque teve um grande problema pontualmente esse dia. A cobrança de horário é outra loucura. Nenhuma regra é clara e seguida e nunca é possível apontar que ele não segue. Se um dia me atraso 5 minutos, é comparado com atrasos de mais de 2h. Me sinto exausta. Desde que me mandou uma mensagem dizendo que entende ser inegável que minha filha sofre violência, que “pode ser de cunho psicológico, físico ou mesmo sexual” dentro da minha casa e não falo mais nem “oi” com ele, nem com sua companheira. A mensagem que termina ele se colocando à disposição para me ajudar ele não comenta com quem me conhece, mas coloca para todos, inclusive com minha filha que eu sou louca e faço mal a ele. O exercício para ter paz é cotidiano. A violência não acaba. Mesmo sem falar, recebo mensagens que vem com título de importante por se tratar da criança, mas são de um cunho violento, ameaçador, ou que vem justificar a sua violência e, invariavelmente, dizer que a violência dele não existe, que o erro está em mim. Tenho sempre medo do que ele é capaz de fazer com minha filha. Tenho sempre medo porque se há 2 meses ele resolveu ser o “bom pai”, nada me convence que isso não passa de um jogo (para convencer a atual companheira a não deixa-lo?) que não envolve amor. Muda emprego, mudam os amigos, os argumentos. É capaz de me dizer uma coisa, meia hora depois dizer outra na frente de alguém e dali a duas horas ter uma terceira opinião perante terceiros e querer me convencer que nunca me disse nada daquilo. Por exemplo, para mim não paga o valor da escola porque é contra a escolarização. Chega um pai da amiga da escola, defende a importância da escola. Enfim… bom saber que não estou só. Que a luta é infinita e quem sabe, um dia, eu não me disponibilize a um outro relacionamento?

    • Micaela Hon
      Micaela Hon Autor do post

      Paula, solidarizo com você nessa luta infinita de manter a sanidade. Temos um novo livro se preparando sobre sobreviventes com filhos com o abusador. Precisamos reunir depoimentos e disponibilizar para outros sobreviventes, até conseguirmos convencer as autoridades de que esses casos devem ser tratados de forma totalmente diferente de outras separações com filhos. Um dia vamos conseguir!